A Dança na Educação Física







A dança na escola não é a arte do espetáculo, é educação através da arte. A dança tem suma importância para alcançar os objetivos da Educação, um deles sendo o desenvolvimento dos aspectos afetivo e social, portanto esta prática propicia ao aluno grandes mudanças internas e externas, no que se refere ao seu comportamento, na forma de se expressar e pensar.

As atividades a serem aplicadas com as crianças devem ser naturais envolvendo o andar, correr, saltar, saltitar, equilibrar, rodopiar, girar, rolar, pendurar, puxar, empurrar, deslizar, rastejar, galopar e lançar.  Desenvolvimento da noção de tamanho, forma, agrupamento e distribuição.

A dança possui definições relacionadas a vários enfoques, envolvendo sempre o movimento, como:

relação com os deuses, relação consigo, com os outros e com a natureza;
transcendência;
emoção, expressão, sentimentos;
símbolos, linguagem e comunicação
interação entre aspectos fisiológicos, psicológicos, intelectuais, emocionais;
tempo, espaço, ritmo;
arte;
educação.

A história da dança

A dança, em sentido geral, caracteriza-se pela arte de mover o corpo e assume papel fundamental nos dias de hoje, enquanto forma de expressão torna-se praticamente indispensável para vivermos presentes, críticos e participantes em sociedade.

Fazendo uma analogia histórica, observa-se que todos os povos, desde a Antigüidade, cultivavam formas expressivas como as danças, os jogos e as lutas. De acordo com VERDERI ( 2009): "O homem primitivo dançava por inúmeros significados: caça, colheita, alegria, tristeza,... O homem dançava para tudo que tinha significado, sempre em forma de ritual."

Isso nos faz perceber que a dança é realmente uma das artes mais antiga que o homem experimentou. E que ao longo dos anos evoluiu em conceitos, nos fatos sociais e culturais, revelando a relação do homem com o mundo e seus diferentes meios de vida.

Percebemos também que, o movimento dançado foi a primeira forma de expressão emotiva, manifestação dos temores e sentimentos. Logo passou a ser uma cerimônia, espetáculos, celebração, e por fim uma forma de divertimento e aprendizagem.

Podemos observar que a dança foi uma forma de expressão de vários acontecimentos que marcaram época na humanidade, a partir dela o homem pode demonstrar papéis sociais e desempenhar relações dentro de uma sociedade.

Ao longo da história a dança foi associada também ao universo pedagógico, pois além de uma forma de diversão e espetáculo é, de acordo com FERRARI(2003)," educação". Na educação, ela está voltada para o desenvolvimento global da criança e do adolescente, favorecendo todo tipo de aprendizado que eles necessitam.

Diante disso, podemos compreender que a dança tem grande valor pedagógico.

Ela possui uma importante ligação com a educação, visto que no universo pedagógico ela auxilia o desenvolvimento do aluno, facilitando sua aprendizagem e resultando na construção do conhecimento.

A dança com o passar do tempo foi ganhando cada vez mais espaço na área educacional até chegar aos dias de hoje, porém não é a proposta desta pesquisa relatar toda essa trajetória, mas apenas um breve posicionamento de sua evolução, com finalidade de informação.

Nas antigas culturas a dança teve um caráter de espetáculo, manifestações populares, e na Idade Média passou a ser uma forma de entretenimento das classes altas e as do povo. A dança desde a pré-história é uma forma de manifestação, uma "expressão corporal", que com o passar do tempo, sofreu diversa influências e foi ganhando espaço na educação.

O papel da dança na prática educativa tem o objetivo de resgatar, de forma natural e espontânea, as manifestações expressivas da nossa cultura. A expressão corporal como recurso da aprendizagem escolar, utiliza o corpo em movimento, estimulando a expressão de sentimentos e emoções que auxiliam na integração social.

A dança pode contribuir para a área da educação física na medida em que, através da experiência artística e da apreciação, estimula no individuo os exercícios da imaginação e da criação de formas expressivas despertando a consciência estética, como um conjunto de atitudes mais equilibradas diante do mundo.

Dança e a Cultura

O Brasil é um país que tem na sua cultura popular expressões significativas, que possibilitam inúmeras oportunidades de aprendizagem através de músicas, danças e festas populares.

No Brasil temos as classificações das danças por região onde cada uma possui sua dança tradicional assim como as festas. A seguir, vamos citar algumas danças das regiões com base no trabalho de Cortês (2000).

Norte: Carimbó, Retumbão, Lundu da Ilha do Marajó, Xote Bragantino, Vaqueiros do Marajó, Marabaixo, Batuque, Siriá, Boi-de-Máscara.

Nordeste: Guerreiro, Frevo, Xaxado, Quilombo, Caninha Verde, Maracatu, Caboclinhos, Ciranda, Coco, Capoeira.

Centro-Oeste: Catira, Chupim, Cururu, Siriri, Engenho de Maromba, Cavalhada.

Sudeste: Ticumbi, Congos, Congados ou Congadas, Moçambique, Catopês, Jongo, Caboclinhos ou Caiapós, Folias de Reis, Marujos, São Gonçalo, Calango Mineiro.

Sul: Caranguejo, Chimarrita, Pezinho, Balaio, Maçanico, Rancheira, Pau-de-Fita, Tatu, Chula, Tirana do Lenço.

Danças do Fandango Paranaense: Xará-Grande, Anu, Tonta e Recortado.

Desta forma, iremos explicar uma dança de cada região:

Na região Norte, o Carimbó é considerado um gênero musical de origem indígena, porém, como diversas outras manifestações culturais brasileiras, miscigenou-se e recebeu outras influências, principalmente negra. Seu nome, em tupi, refere-se ao tambor com o qual se marca o ritmo, o carimbó. Surgida em torno de Belém na zona do Salgado (Marapanim, Curuçá, Algodoal) e na Ilha de Marajó, passou de uma dança tradicional para um ritmo moderno, influenciando a lambada e o zouk.

Na região do Nordeste, temos o frevo que é um ritmo musical e uma dança brasileira com origens no estado de Pernambuco, misturando marcha, maxixe e elementos da capoeira. Este estilo pernambucano de carnaval é um tipo de marchinha bastante acelerada, que, ao contrário de outras músicas carnavalescas, não possui letra, sendo simplesmente tocada por uma banda que segue os blocos carnavalescos enquanto a multidão se diverte dançando. Apesar de parecerem simples ao olhar, os passos do frevo são bem complicados, pois, esta dança inclui: gingados, malabarismos, rodopios, passinhos miúdos e muitos outros passos complicados.  Para complementar a beleza da dança, eles usam uma sombrinha ou guarda-chuva aberto enquanto dançam.

Temos também na região do Centro-Oeste a Catira ou cateretê, uma dança do folclore brasileiro em que o ritmo musical é marcado pela batida dos pés e mãos dos dançarinos, de origem híbrida, com influências indígenas, africanas e européias, a catira (ou "o catira") tem suas raízes em Mato Grosso, Goiás e norte de Minas. A coreografia é executada na maioria das vezes por homens (boiadeiros e lavradores) e pode ser formada por seis a dez componentes e mais uma dupla de violeiros, que tocam e cantam a moda.

Já na região Sudeste, o Ticumbi representa uma manifestação folclórica que ocorre anualmente no estado do Espírito Santo, principalmente na cidade de Conceição da Barra. Consiste na execução de coreografias por um grupo de pessoas trajadas segundo as tradições pelas ruas da cidade, acompanhados de música executada por pandeiros. Suas raízes remontam a cerimônias africanas, mas atualmente é executado em homenagem ao santo católico Benedito.

Temos ainda na região Sul a Chimarrita, também chamada Chamarrita ou Limpabanco. É uma dança típica do folclore gaúcho. Originária dos Açores e Ilha da Madeira, a chimarrita é uma das danças mais populares do fandango gaúcho. Além do Rio Grande do Sul, a chimarrita também é dançada e cantada nos estados de São Paulo e Paraná, ao som de "harmônica" (gaita). Indumentária: traje à moda gaúcha. Também se encontra a chimarrita no Uruguai, onde é considerada um dos ritmos de raiz mais populares.

A Dança de Salão, é um exemplo de Dança Popular também conhecida como Dança Social ou de Sociedade. É a dança praticada nos bailes e reuniões sociais que tem o objetivo de socializar e divertir. Quanto à sua nomenclatura, explica que o termo de salão, é devido à necessidade de salas grandes, para que se possam realizar as evoluções das danças.

    Mesmo reconhecendo as dificuldades para especificar os locais de ocorrência de muitas danças,  deve ser adotada a divisão do Brasil em regiões proposta pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), por agrupar os estados com traços físicos, humanos, econômicos, sociais e históricos comum, e ser amplamente utilizada nas escolas, permitindo que este trabalho seja fidedigno a sua proposta maior.

    Atualmente, a dança na perspectiva da cultura corporal é promotora de desenvolvimento e autonomia corporal que segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, 1998) – PCNs de Educação Física, a dança se classifica como um de seus conteúdos, possibilitando o desenvolvimento da cultura corporal na comunidade escolar.

A Educação Física não exclui o conteúdo de dança de seu campo de atuação. Ao contrário, é esta que ela vem tentando incluir na formação do currículo escolar. O ensino de dança na escola deve ser também de responsabilidade do professor de Educação Física.

A dança na escola

Por meio da dança, o professor pode trabalhar vários conteúdos:

1) A diferença entre gêneros — meninos e meninas têm comportamentos diferentes que podem ser facilmente notados e trabalhados por meio da dança.

2) O domínio corporal e a ritmicidade — o dançarino tem um domínio lógico espaço/temporal bastante desenvolvido. Assim, dominar ritmos pode contribuir para as ações do cotidiano, auxiliando em atividades do dia-a-dia.

3) A diversidade cultural e os variados estilos — de região para região, o estilo de dança varia bastante, pois na cultura brasileira existem várias culturas regionais que são formadas de acordo com o modo de vida de seus habitantes.

A dança é um meio quase ilimitado de aprendizagem. Mas o professor deve tomar cuidado ao trabalhá-la como conteúdo educativo: ele não pode, de maneira alguma, reforçar modismos, que geralmente são lançados pelos meios de comunicação de massa com intenção exclusivamente comercial. Ele deve alertar seus alunos sobre os interesses da indústria cultural para que seu trabalho não omita a existência dos estilos comerciais, mas desperte o senso crítico de seus educandos a respeito deles.

A dança na escola não deve priorizar a execução de movimentos corretos e perfeitos dentro de um padrão técnico imposto, gerando a competitividade entre os alunos. Deve partir do pressuposto de que o movimento é uma forma de expressão e comunicação do aluno, objetivando torná-lo um cidadão crítico, participativo e responsável, capaz de expressar-se em variadas linguagens, desenvolvendo a auto- expressão e aprendendo a pensar em termos de movimento

Benefícios da dança na escola

A escola é uma instituição voltada à educação formal que tem como objetivo sistematizar conhecimentos, assim como o legado cultural produzido pelo homem ao longo do tempo, visando à formação humana e crítica dos cidadãos.

É na escola que o indivíduo tem acesso a um número bastante diversificado de informações, conhecimentos, normas, valores e atitudes. Neste contexto, a dança na escola deve proporcionar oportunidades para que o aluno possa desenvolver todos os domínios do comportamento humano.

Para que o professor contribua efetivamente na formação de estruturas corporais mais complexas, ele poderá se utilizar da dança, tanto no aspecto biológico que é sua especificidade, mas também na questão da formação humana.

É possível afirmar que a dança como processo educacional pode contribuir para o aprimoramento das habilidades básicas, dos padrões fundamentais do movimento, no desenvolvimento das potencialidades humanas e sua relação com o mundo.

A dança é um conteúdo muito importante para que o aluno consiga desenvolver seu autoconhecimento, liberar as tensões, além de proporcionar um encontro da coordenação e da harmonia dos diferentes movimentos corporais.

O trabalho da dança educacional quando preocupado em deixar fluir dos educandos suas emoções, seus anseios e desejos dos movimentos que não necessariamente envolvam a técnica, permitirá que o sujeito se revele e desperte para o mundo, numa relação consigo e com os outros, de forma consciente.

A dança pode propiciar o autoconhecimento, estimular vivência da corporeidade na escola, proporcionar aos educando relacionamentos estéticos com as outras pessoas e com o mundo, incentivar a expressividade dos indivíduos, possibilitar a comunicação não verbal e os diálogos corporais na escola, sensibilizar as pessoas contribuindo para que elas tenham uma educação estética, promovendo relações mais equilibradas e harmoniosas diante do mundo desenvolvendo a apreciação e a fruição da dança.

Dança de Salão

A dança de salão é dançada em casal (dama e cavalheiro). Ele sempre conduz a dama (enlaçados). Nesta dança, o movimento envolve postura e regras da etiqueta com características culturais ou não.

As características são marcação do tempo em intervalos regulares, com tempos fortes e fracos, que determinam cada forma musical. Assim sendo, há distinção do gênero musical através do ritmo e não pela velocidade (lento, moderado e rápido), ou seja, pela característica musical e também pelos instrumentos de percussão utilizados.

Os gêneros musicais: Samba, Forró, Bolero, Fox, Tango, etc.. Algumas danças:

MERENGUE

● Origem República Dominicana
● Característica compasso binário, ritmo veloz e malicioso

FORRÓ

● Origem brasileira
● Característica compasso quaternário, nordestina
● Fala Mansa, Luiz Gonzaga, Fagner, Elba Ramalho, Magníficos, etc.
● O nome surgiu nos bailes fechados que os engenheiros britânicos, que estavam trabalhando na construção de uma ferrovia em Pernambuco, faziam durante os fins de semana. Os funcionários ficavam olhando de longe, até que um dia abriram "para todos" da empresa, ou seja, "for all".

SAMBA

● Origem brasileira
● Característica compasso quaternário, influência da cultura negra, origem da palavra umbigada
● Jorge Aragão, Martinho da Vila e Beth Carvalho (gafieira)
● Adoniram Barbosa (samba liso)
● Jorge Bem Jor, Seu Jorge (samba rock)
● Fundo de Quintal (pagode)

FOX

● Origem norte americana
● Característica compasso quaternário, shows da Broadway, bailes de gala
● Ray Conniff, Frank Sinatra, Michael Bublé

ROCK

● Origem norte americana
● Característica compasso quaternário, não se dança juntinho
● Elvis Presley, Chuck Berry, Bill Halley

SALSA

● Origem porto-riquenha
● Característica compasso quaternário, caribenha (influência cubana)
● Célia Cruz e Gloria Estefan

VALSA

● Origem austríaca
● Característica compasso ternário, girar pelo salão
● Vienense (andamento rápido)
● Francesa (andamento moderado)
● Inglesa (andamento lento)

Dança como Exercício Físico

Além de ser uma atividade artística, a dança é acima de tudo um verdadeiro exercício físico. Os alunos que desejam fortalecer seus corpos e criar condicionamento físico podem se dedicar a essas disciplinas especiais na companhia de um personal trainer, um coach esportivo ou um professor de dança.

A dança esportiva é perfeita para melhorar o seu cardio e fortalecer e desenvolver músculos como o quadríceps, os abdominais, os glúteos ou os músculos dos isquiotibiais. Nosso conselho: faça pelo menos 30 minutos de cardio todos os dias para melhorar sua dança e obter um corpo saudável.

Uma pequena lista não exaustiva de aulas de dança esportiva ministradas no Brasil:

  • Aula de Zumba
  • Aulas de dança africana
  • Aulas de rock acrobático
  • Aulas de alongamento,
  • Aulas de ginástica rítmica
  • Aulas de Sh'bam
  • Aulas de Pilates
  • Aulas de Rumba
  • Aulas de Bokwa
  • Aulas de Aero Latin,
  • Aulas de Aquazumba
  • Aulas de fitness etc.
Outros tipos de atividades relacionadas à dança:

Danças individuais: Ballet de Repertório, Ballet Clássico, Ballet Romântico, Ballet Moderno ou Contemporâneo, Dança Moderna, Dança Contemporânea, Sapateado, Jazz.
 
Danças de Grupo: Dança Circular, Disco Dance, Country e Street.

A dança como conteúdo da Educação Física tem como objetivo levar a conhecer as qualidades do movimento expressivo como leve/pesado forte/fraco, rápidos/lentos, fluidos/interrompidos, intensidade, duração, direção, sendo capaz de analisá-los a partir destes referenciais; conhecer algumas técnicas de execução de movimentos e utilizar-se delas; ser capazes de improvisar, de construir coreografias, e, por fim, de adotar atitudes de valorização e apreciação dessas manifestações expressivas, contribuindo diretamente para a formação do cidadão, pois, aprender a dançar envolve, além do desenvolvimento das atividades artísticas e estéticas, apreciar arte e situar a produção social da arte de todas as épocas nas diversas culturas.

Para finalizar, vou indicar esse guia Ginástica para Treinamento Físico ´para trabalhar em academias ou ao ar livre.  São treinamentos físicos que tem o objetivo de melhorar as questões estéticas e físicas dos praticantes com duração de 45 a 60 minutos, com combinações de movimentos Aeróbicos e Musculares no ritmo da música. Clique aqui e saiba mais!



Eu sou a Dani, a atendente do Quero Conteúdo. Se você quiser ter conteúdo sobre esse tema para estudo, entre em contato pelo Whatsapp ou email do site . Conheça também nossa página de materiais educativos gratuitos .



Comente:

Nenhum comentário